#ResenhasAnimadas – Demon Slayer: Kimetsu no Yaiba the Movie: Mugen Train

Olá TaBEERneiro,

Que satisfação em falar sobre esse filme. É uma obra de arte que faz jus a incrível primeira temporada do anime.

Para você que está caindo de paraquedas em “Demon Slayer: Kimetsu no Yaiba the Movie: Mugen Train” é preciso entender que o filme não é uma história isolada. A trama tem seu inicio diretamente ligado a eventos apresentados ao final da primeira temporada do anime, ou seja, ele é a sequência direta da primeira temporada de 26 episódios e será a ponte para a segunda temporada.

O filme mantém o enredo tão fluido quanto foi no anime, além das artes e cores lindas e vívidas. Para quem não foi iniciado no anime, acredito que assistí-lo antes do filme tornará a experiência bem mais prazerosa. A estória em si é muito boa, mas existem conexões que vão fazer muito mais sentido para quem já está familiarizado com os eventos anteriores da trama.

Demon Slayer – Mugen Train: O Filme | CinePOP
Tanjiro, Nezuko, Zenitsu e Inosuke

Em resumo, quando termina a primeira temporada, Tanjiro, Nezuko, Zenitsu e Inosuke são designados para uma nova missão: Encontrar com o pilar Hasahira Kyōjurō Rengoku no Mugen Train e investigar as mortes misteriosas de passageiros que vem acontecendo a cada viagem. É exatamente nesse ponto, que inicia a jornada dos nossos heróis. Ou seja, o filme não tem a preocupação de explicar a origem de cada personagem, como foi seu treinamento, como surgiram os poderes, etc. Tudo isso já foi retratado com maestria na temporada inicial do anime, e não ter essas informações, mantém o dinamismo, sem deixar o ritmo cair por conta de algum flashback com preocupação contextual. As únicas histórias de origem apresentadas são do próprio Rengoku e do antagonista, o demônio Enmu.

Rengoku

Já com nossos heróis tendo encontrado Rengoku no trem, alguns eventos estranhos vão se desdobrando, até a descoberta de que o trem fora sequestrado por um demônio chamado Enmu, que tem o poder de manipular os sonhos de suas vítimas, explorando seus medos e desejos. O demônio usa pesadelos para prender os personagens em labirintos abstratos de seus principais traumas. 

Enmu é um vilão que mantém o peso e o ritmo dos vilões retratados na primeira temporada e mantém o ritmo dos eventos traçando suas ações no trem, sem utilizar monólogos chatos sobre seu fetiche por extinguir o espírito das pessoas. Tal qual sua personalidade, ele também tem uma forma física aterrorizante, com bocas nas costas de ambas as mãos. Mãos essas que podem se soltar de seu corpo e circular pelo trem, no melhor estilo “mãozinha” (Família Adams).

Filme de Kimetsu no Yaiba estreia em outubro no Japão; veja novo trailer
Enmu

As cenas de ação são incríveis, muito bem casadas com os dramas surgidos dos sonhos captados e manipulados pelo vilão, e apesar do sangue e decapitações demoníacas, o filme se mantém lindo, com uma reviravolta impressionante e um diálogo final de tirar o fôlego e capaz de emocionar os Otakus e Otomes mais durões e exigentes.

Enfim, o filme dirigido pelo veterano da série Sotozaki Haruo é uma obra de arte que merece o sucesso que está alcançando, tanto que ultrapassou A Viagem de Shihiro e se tornou o filme japonês de maior bilheteria de todos os tempos ao atingir 50 bilhões de yen em 200 dias (aproximadamente US$ 458.59 milhões), segundo o relatório de Oricon News (via Crunchyroll).

E aí, já viu o filme? Comente o que achou.

Paulo Souza

Pai, Marido e Nerd full time. Nerdice raiz é a minha essência.